Liberdade Condicional

Liberdade Condicional
Letra e música: Matheus Souto

É inevitável o pensamento
Sobre essa dita ‘moderna’ idade
Um homem não é livre pra descansar
Nem pra sair da sua cidade
Nunca tem tempo pra viajar
Nem pra buscar sua identidade

Ele só é livre
Pra consumir, pra consumir
Pra comprar mais e dividir
Em 20 vezes no cartão

É que a TV tem 100 canais
Que dizem sempre a mesma coisa
Os teus caminhos são sempre iguais
E a moda escolhe a sua roupa
As alegrias são pontuais
E a carreira é sua jornada
A humanidade se converteu
Em propriedade privada

Você só é livre
Pra consumir, pra consumir
Pra comprar mais e dividir
Em 20 vezes no cartão.

Material

Material
Letra e música: Matheus Souto

Não perca o tempo procurando
Coisas pra te preencher
Quanto mais alguém tiver
Mais vazio fica o seu ser e o pensar

Não passe a vida matutando
Novos meios pra vencer
Os portões serão fechados
Frente à sede por poder
E você vai dançar (dança, dança)

Expectativas racionais
Ainda vão se surpreender
Um novo tempo está aqui
Tente entender o que eu vou dizer

Bote rédea nos seus vícios
Finde os egos, vamos ver
Não consuma mais venenos
E perca o medo de morrer.

And then you’ll feel
Better, better, better all the time
You’ll feel
Better, better, better, peace of mind

É fácil, meu amigo
É só você escutar
O segredo que o silêncio
Está louco pra contar

Nunca se prenda aos preconceitos
Que outros fazem de você
Você é mais do que a matéria
Que alguém consegue ver

Se você não acredita
No que eu estou a te dizer
Feche os olhos e procure a tua verdade em você.And then You’ll Feel…

Astronauta Interior

Astronauta Interior
Letra e música: Matheus Souto

E até mesmo um astronauta pode se esquecer
Do fato de conter
O universo inteiro dentro de si

Espaçonaves e satélites
não vão nos responder
Porque da vida ser assim

Enviaremos sondas e missões
Aos confins da galáxia e das constelações
Sem saber que a resposta se encerra
Em nossos corações.

Buracos-Negros no vácuo o Bóson e o Quasar
São criaturas da mente e vão alimentar
Mais perguntas e dúvidas

E nem mesmo um telescópio vai poder nos mostrar
De onde vem a Paz e o bem-estar
Do silêncio…
E da música.

Enviaremos sondas e missões
Aos confins da galáxia e das constelações
Sem saber que a resposta se encerra
Em nossos corações.

All Alone

All Alone
Letra e música: Matheus Souto

I’m with my eyes shut but I just can’t sleep
I’m way too tired but I just can’t quit
I want so hard to tell you but I’ll wait
Just a little bit

Because nobody seem to give a shit
About what really mean to live and be
And we’re living in some hard times
And happiness seems just so hard to see

I’ll tell you what I listen when there’s nobody talking
And tell you how I feel when I’m just walking
All by myself
All by myself

For things to be right, they can’t be the same
Communication we need to rearrange
We just got to keep talking
Until there’s nothing but the rain

So tell me what you listen when there’s nobody talking
And tell me how you feel, when you’re just walking
All by Yourself
All by Yourself

Or you’ll end up alone.
Or you’ll end up alone.

You’re all alone… Alone.

Meu Casaco Marrom

Meu Casaco Marrom
Letra e música: Matheus Souto

Eu te encontrei numa fria esquina
Em meio ao caos e a gritaria
E foi então que eu fui te socorrer

O seu estilo era você quem fazia
E você me tirou da montonia
Eu só não sabia o que ia acontecer

Com meu casaco marrom
Meu casaco marrom (3x)

Te vi correr em agonia
E eu nem percebi a garrafa vazia
E na multidão você desapareceu

Com meu casaco marrom
Meu casasco marrom

Outono em 3×4

Outono em 3×4
Letra e música: Matheus Souto

Se trocou, maquiou,
Viu o sol se levantar
Caminhou, pedalou
Se sentou pra trabalhar
Viu o sol se deitar
E torceu pra não nevar
Bocejou, se calou, foi deitar.

Mal sabia ela que iria conhecer o amor

Acordou, se virou
Voltou a dormir
Despertou, levantou
Viu a idéia surgir
Escreveu, musicou
Ao piano sentiu
Que a dor transcreveu no papel

Mal sabia ele que iria conhecer o amor.

Mal sabiam eles, o que o destino os reservou.

Inércia

Inércia
Letra e música: Matheus Souto

Já não sei mais o que fazer
Pra te levar e te envolver em ação.
E não há como não notar meu desprazer
E o meu pesar no salão
Ao te ver se esquivar de qualquer conclusão.

Ainda há porque se importar
Em construir e respirar a revolução
E não há como não sentir o coração se reduzir a ilusão
Ao não crer em mudar pra qualquer direção

Saia da inércia e vem pra cá
Seja movimento, esteja em todo lugar
Mude suas idéias, seu viver e seu estar
Gire a roda do destino, ponha o mundo pra girar.’Cidadãos impassíveis são escravos de sua sentença de vida.
Entenda bem: Tudo o que se tem, tudo que se toca e tudo o que se vê, é passível de
mudança.
Tome as rédeas da sua vida e do mundo ao seu redor
Siga suas idéias, suas tão grandes idéias, e veja a vida acontecer’

As Nossas Janelas

As Nossas Janelas
Letra e música: Matheus Souto

Me vejo no espelho, me olho do retrato
E tudo o que eu percebo é lembrança

Eu miro os seus olhos, em busca de contato
E tudo o que eu vejo é uma dança
Dos corpos desenhados, seu futuro e seu passado
Os seus medos e delírios, os triunfos e os pecados
Seus desejos e as lembranças que você ainda vai ter

Na superfície calma dos teus olhos eu te vejo
E a minha só reflete o que vê

Então fecho os meus olhos, em busca do momento
E tudo o que eu ouço é pensamento
Dos corpos desenhados, meu futuro, o meu passado
Meus medos e delírios, os triunfos e os pecados
Meus desejos e a memórias que eu nem sonhei em ter

Na superfície calma dos meus olhos, meus segredos
Que você ainda não soube perceber

Pela janela da tua alma, você vê o mundo e o mundo te vê

A superfície calma dos meus olhos é um espelho,
só percebe quem quer realmente ver

Alias

Alias

E eu já nem sei quem sou
De onde eu venho, pra onde eu vou
Cansei de me preocupar

Com o que eu tenho com o que me faltou
Eu finjo ausência e manipulo quem sou

Cercado de amigos mascarados, perdidos
Numa festa distante
Do mundo em que eu estou

Com roupas coloridas escondendo feridas
E se banhando num mar de cinza e torpor

Um sorriso distante, um lapso errante
De consciência e calar
Caminhando sozinho pela longa estrada
Que te leva pro mar

E eu já nem sei quem sou
De onde eu venho, pra onde eu vou
Cansei de me preocupar

Com o que eu tenho com o que me faltou
Eu finjo ausência e manipulo quem sou

Um sorriso distante, um lapso errante
De consciência e calar
Caminhando sozinho pela longa estrada
Que te leva pro mar